Instituto MissionárioInstituto Missionário

Artigos › 13/04/2021

O que fazer quando nos sentimos “inúteis” em comparação aos outros?

Observe as fotos dos pódios olímpicos. Obviamente, o medalhista de ouro tem uma cara de felicidade extrema. Em contraste, na maioria das vezes, o medalhista de bronze parece muito mais feliz do que o medalhista de prata que, por outro lado, exibe um sorriso um tanto contido. É surpreendente! O medalhista de prata teve um desempenho melhor, no entanto se sente menos feliz consigo mesmo. É claro que podemos compreendê-lo. Eles julgam seu próprio valor se comparando com os outros. O medalhista de prata se compara com aquele que foi melhor do que ele, porque ele perdeu o primeiro lugar. Ele é apenas o segundo! Por outro lado, o medalhista de bronze se compara a todos aqueles que não tiveram a alegria e a sorte de estar no pódio.

Tudo isso nos leva a refletir sobre nossos reflexos educacionais e o meio ambiente em que crescem os nossos jovens. Frequentemente, ouvimos crianças ou estudantes dizerem: “Eu sou péssimo”, e depois pior: “Não vou conseguir”. Além disso, mesmo os estudantes que se preparam para concursos devem lutar bravamente contra seus próprios pensamentos desmotivadores. É fácil ver os efeitos do espírito competitivo excessivo e da tensão comparativa que permeia nosso ambiente.

A comparação nos fragiliza

Há, portanto, um equívoco sobre o lugar que damos à competição. Por considerá-la muito como um fator de progresso ou superação, esquecemos seu motor fundamental: a comparação. Porque se trata mais de superar os outros do que de superar a si mesmo. Mas ao se comparar perpetuamente com os outros, você acaba constantemente se olhando com um olhar de julgamento. “Eu te avalio, eu me julgo”. E qual será o nosso critério de julgamento?

O desempenho dos outros, seu status social, sua aparência física, a lista é interminável… O critério último é o modelo ideal proposto pelas imagens retocadas e irreais que literalmente poluem nosso universo cotidiano. Nada como a comparação para destruir a autoconfiança. Longe de gerar uma forte autoconfiança, a comparação a enfraquece pois o critério de meu suposto valor será sempre externo e muitas vezes impossível de igualar.

A competição só é saudável se nos levar à gratidão para com os outros

Então, o que podemos dizer àqueles que nos foram confiados, àqueles que estão comprometidos em fazer com sucesso o que se propuseram a fazer? A competição só é saudável se eliminar a comparação tóxica e conceder gratidão aos outros. Tendo em mente tudo o que devo aos outros, sabendo que posso contar com eles, sendo grato a eles: este olhar fortalece a autoconfiança, revigora a esperança de sucesso, evita a glorificação do sucesso e ameniza os efeitos do fracasso.

No fundo, ninguém quer ser amado por seu desempenho. Coloquemos então os nossos jovens sob o olhar de Deus, que no segredo da oração os dirá constantemente quão incomparável, absolutamente único, precioso e formidável ele/ela é. Da forma como são!

 

Fonte: Aleteia

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.

X